Ir para o conteúdo

Fundação Blogoosfero

Tela cheia Sugerir um artigo

Blog da Fundação

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by)

A propósito de blogueros y periodistas...

1 de Outubro de 2013, 23:46, por Rosa C. Báez Valdés - 0sem comentários ainda

Quien ha tropezado con esta Polilla Cubana por los enrevesados vericuetos de la "super carretera", habrá podido notar que siempre se presenta como una "difusora de noticias en web", pues mi amada profesión es la de bibliotecaria y, como no poseo estudios de periodismo y no me apetece el rol de intrusa profesional, no me digo periodista; apenas si bloguera, pues no soy -como acostumbra mencionar mi compañera Norelys Morales- una "gestora de contenidos" si no, y repito, alguien cuya tarea y alegría es compartir a los cuatro vientos aquello que considero de relevancia para ser conocido por los que, ellos sí, producen textos de elevada valía. Tal vez por ello también usé la "vestimenta" que cortara y cosiera el estimado Juan Marrero en su post publicado en "Sin secretismo", la magnífica sección de Cubaperiodistas, porque me dolió, en mi nombre y en el de los otros, los que hacen buen periodismo, sin diplomas ni carnets, en sus blogs. Felizmente, de las filas de esos, se alzó la voz de un bloguero cubano, Harold Cárdenas, fundador del Blog La Joven Cuba y uno de los promotores del primer encuentro de blogueros cubanos, el Blogazo X Cuba y a su artículo dio cumplida respuesta Marrero. Acá los dejo con el intercambio y el link al post que lo originara.

 

Sin prisa, pero sin pausa
Juan Marrero
http://www.cubaperiodistas.cu/sin_secretismo/23.htm

 

El escribidor de blogs
Por Harold Cárdenas Lema*

Soy un pecador, cometí el pecado original de no tener una formación como periodista o comunicador social y aún así pretender dar una mirada sobre mi realidad. Comprendí mi grave error cuando leí un artículo publicado el 26 de septiembre en el sitio oficial de la Unión de Periodistas de Cuba (UPEC). Yo que creía ser bloguero aprendí en ese texto que esa palabra no existe, no se menciona, soy solo un “escribidor de blogs” que no está afiliado al movimiento periodístico nacional.

 Resulta difícil no sentirse aludido en un escrito tan ambiguo. En él se dice que los medios nacionales están mejorando en la lucha contra el secretismo, una opinión que comparto pero la considero un resultado multifactorial, un producto de la acción constante de los inconformes en nuestra sociedad, algo a lo que han contribuido también los blogueros cubanos y el autor desconoce.

 Si la intención era hacer referencia a que algunos pecan de hipercríticos e ignoran los pasos positivos de los últimos años, entonces comulgo con la idea e incluso ya hemos hecho referencia a ella anteriormente, pero lo publicado deja un sabor muy negativo que es difícil de ignorar.

 Quizás si los blogueros hubieran sido un movimiento feliz carente de contradicciones ese artículo no hubiera provocado el dolor que expreso, más aún cuando fue escrito por un funcionario de larga trayectoria en el periodismo de nuestro país. Quizás el autor desconoce de las sanciones laborales que sufrieron los primeros en una blogosfera que en estos días llega a convocar a Julián Assange a mostrar su solidaridad con Cuba, que están en la primera línea de defensa de este país, que se equivocan en ocasiones pero lo hacen trabajando voluntariamente por un país mejor, cuando muchos otros no se atreven a arriesgar sus miserias.

 En el artículo se les reclama a los blogueros creerse “dueños de decir todo lo que les venga en ganas”, nada más parecido a la libertad de expresión, nada más parecido a lo que debe ser el espíritu de una Revolución por muy bloqueada que esté. Si el autor se refería a la responsabilidad que implica esta labor, créame que un bloguero siente la misma presión que un periodista que quiere ser objetivo y útil a su sociedad.

 Nunca he buscado distinciones entre aquellos que escriben en la web, la calidad o el valor de un texto no radica en un título universitario o no, ni siquiera lo había pensado pero obviamente otros sí. Hace unos días vi a una estudiante de periodismo preguntar en una conferencia cuántos de los blogs más consultados son escritos por periodistas, la pregunta era retórica e incluía cierta malicia pero no dejaba de señalar algo sintomático: no se puede despreciar o hacer diferencias entre profesionales o no, el sectarismo no conduce a ninguna parte.

 Confieso que el mencionado artículo me deja preocupado, quizá debo esperar a que se otorguen las licencias para los “escribidores de blogs”, debo tener cuidado de no violar alguna ley o resolución, digo, otra que no sea la 127 que sí tengo que irrespetar a diario para seguir existiendo en la web.

 Soy un pecador, cometí el pecado original de no tener una formación como periodista o comunicador social y aún así pretender dar una mirada sobre mi realidad. Soy un escribidor de blogs que se comunica mediante ellos por falta de otra vía, este artículo me ha dolido porque muestra cuánto desconocimiento existe aún sobre la blogosfera entre algunos funcionarios del mundo periodístico, este es un hecho… y parafraseando al autor en cuestión: “nadie lo puede tapar con un dedo”.

  *Joven profesor universitario, fundador de uno de los blogs más polémicos de nuestra blogosfera, La Joven Cuba

 

Tomado de La Joven Cuba

[oOo]

Respuesta sincera a un pecador de otro pecador
Por Juan Marrero

Harold Cárdenas es un joven bloguero que se ha molestado con el comentario que publiqué en cubaperiodistas.cu, en la sección Sin Secretismo [Link más arriba], relacionado con algunas señales que se han dado en los medios en respuesta a la cerrazón informativa luego del IX Congreso de la UPEC. No tuve intención alguna de negar a nadie su derecho a dar una mirada a la realidad ni desconocer la contribución de algunos blogueros en la lucha contra el secretismo, y mucho menos atizar divisiones entre quienes ejercen el periodismo como profesión y aquellos que hacen lo que se ha dado en llamar periodismo ciudadano, gracias al desarrollo de las nuevas tecnologías de la comunicación. 

 Mi única intención fue llamar la atención sobre algunos hipercríticos que andan por la blogosfera y que actúan, a veces, de modo irresponsable, enjuiciando lo humano y lo divino, y de ahí la oración que utilicé de que se consideran “dueños de decir todo lo que les venga en ganas”. El propio Harold advirtió mi intención y lo reconoce. 

 No fueron para ti, Harold, ni para los blogueros que trabajan con honestidad, mis alusiones en el artículo “Sin prisa, pero sin pausa”. A los jóvenes que escriben en blogs, periodistas profesionales o no, y lo hacen con altura y constructivamente, los respeto. Saludo que en JovenCuba expongas tus opiniones de la forma en que lo has hecho, aunque no comparta algunas de ellas. Solo te pregunto: ¿Por qué te pones una vestimenta que no está hecha a tu medida?

 Quiero, además, recordarte que la UPEC ha tenido mucho que ver en el desarrollo del movimiento de blogueros en Cuba. No ha estado a espaldas de él. Las aulas del Instituto Internacional de Periodismo José Martí han estado abiertas para la formación de muchos jóvenes blogueros. Tú mismo estuviste recientemente participando en el taller dado por el editorialista de La Jornada y en la videoconferencia La Habana-Londres con Julián Assange, fundador de Wikileaks. Y cuando yo era vicepresidente de la UPEC, electo por dos congresos, siempre alenté el desarrollo de ese movimiento.

 Si me preguntases si algo de lo que escribiste me molestó, con sinceridad te diría que solamente ese título que me endilgaste de “funcionario de larga trayectoria en el periodismo de nuestro país”. Lo que he hecho a lo largo de más de 55 años es hacer periodismo,  pero no cualquier periodismo, sino un periodismo para clavar la verdad en los corazones y servidor de ideas justas y dignas.  He tenido como principio comunicar lo poco que sé y aprender lo mucho que no sé todavía. De las nuevas realidades de la blogosfera estoy aprendiendo en estos tiempos, ya en el ocaso de mi existencia. 

 Harold comienza su nota diciendo “Soy un pecador, cometí el pecado original de no tener una formación como periodista o como comunicador social…” Y te digo que yo también soy un pecador, cometí el pecado original de no tener un título universitario y no tengo ni postgrados, ni másters ni candidato a doctor… pero he sido y soy un periodista del pueblo y para el pueblo por más de 55 años. 

 Me han dicho que otros blogueros han hecho comentarios sobre la nota que publiqué en Cubaperiodistas.cu No voy, por supuesto, a contestar individualmente a cada uno. Mis ideas principales son las que he expuesto en esta sincera respuesta a Harold. 

 

Fuente Cubaperiodistas.cu



Blogoosfero no Software Freedom Day - Curitiba

18 de Setembro de 2013, 13:18, por Blogoosfero - 0sem comentários ainda



Porque apoiar o Marco Civil da Internet

13 de Setembro de 2013, 15:49, por Bertoni - 0sem comentários ainda



CUT promove 1º Seminário de Comunicação Popular e Sindical no Paraná

9 de Setembro de 2013, 10:26, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Inscrições estão abertas e são gratuitas

A Central Única dos Trabalhadores do Paraná promoverá nos dias 12 e 13 de setembro o 1º Seminário de Comunicação Popular e Sindical no Paraná. Nomes de grande representatividade no setor no País e no Estado participarão dividindo suas experiências com os participantes com o objetivo de melhorar a qualidade da informação repassada, bem como, estreitar os laços entre as instituições do campo popular.

Entre eles estão o jornalista do Núcleo Piratininga de Comunicação, Vito Gianotti, a secretária nacional de comunicação da CUT, Rosane Bertotti, o diretor da Rede Brasil Atual, Paulo Salvador, o idealizador da plataforma Blogoosfero, Sérgio Bertoni, além de representantes de entidades como a Frentex e do jornal Brasil de Fato.

“Desejamos ampliar as nossas possibilidades, nos baseando em experiências bem sucedidas para melhorar cada vez mais a nossa comunicação, tanto de forma individual, com cada sindicato e instituição, bem como a interligação entre nossos setores de comunicação”, explica o secretário de Comunicação da CUT Paraná, Daniel Mittelbach.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas preenchendo o formulário (clique aqui para fazer o download) e enviado por e-mail para cutpr@cutpr.org.br com cópia para imprensa@cutpr.org.br O seminário será realizado na APP Sindicato, na Av. Iguaçu 880, em Curitiba e terá início às 9h de quinta-feira (12) com uma homenagem ao jornalista falecido no ano passado, Anderson Leandro e termina às 18h, quando será encerrada a plenária de encaminhamentos.

Confira a programação:

12/09 - Quinta-feira

 Manhã 

9h às 9h30 Saudação inicial e homenagem ao Anderson

9h30 às 12h - Comunicação: Quem comanda no Brasil? 

Participantes: Sérgio Bertoni (Blogoosfero), Douglas Moreira (FRENTEX-PR), Paulo Salvador (Rede Brasil Atual), Mario Messagi Júnior (UFPR)

12h Almoço

Tarde

13h00 As barreiras da comunicação sindical: 

 Vito Giannotti (NPC)

15h40 Coffee Break

16h - Estratégias na Comunicação Digital

Alex Capuano (Secom CUT), Tarso Cabral (blog do Tarso)

Noite - Atividade Cultural

 

13/09 - Sexta-feira

Manhã 

9h às 10h – Experiências de diálogo com a sociedade

Pedro Carrano (Brasil de Fato), Guilherme Carvalho (SISMUC), Munir Guérios Filho (CWB-TV)

10h às 12h30 Desafios da Comunicação da CUT e seus sindicatos. 

Participantes: Rosane Bertotti (Secretária Nacional de Comunicação da CUT) e Daniel Mittelbach (Secretário de Comunicação da CUT-PR)

12h30 - Almoço

Tarde 

14h - Trabalho em Grupo

16h15 – Coffee Break

16h30 – Plenária de encaminhamentos

18h - Encerramento

Local: APP-Sindicato, Av. Iguaçu, 880, Rebouças, Curitiba.



Você sabe quem invade seu computador???

7 de Agosto de 2013, 16:12, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Você usa windows, o sistema operacional da Microsoft?

Provavelmente sim, pois a maioria dos computadores tipo PC são vendidos com este sistema operacional instalado de fábrica.

Mas você sabe o que ele faz?

Você sabe para quem o sistema operacional windows realmente trabalha?

Não? Não sabe?

Então, clique aqui e veja a apresentação elaborada, a partir de documentos da própria Microsoft,  por Sérgio Amadeu, professor da Universidade Federal do ABC e um dos representantes da Sociedade Civil no CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Entendeu agora porque é importante usar software livre?

Entendeu agora porque é importante o desenvolvimento de software livre nacional?

Entendeu agora porque defendemos a Soberania Tecnológica?

Seja Livre, Seja Linux!

Leia Também:

Software Livre é soberania nacional e inclusão digital

Colaboração e Liberdade: estratégias de desenvolvimento tecnológico nacional

Tecnologias livres e as plataformas de colaboração como estratégia nacional

ReperCUT Paraná: Soberania Tecnológica

Como entender essas denúncias de vigilantismo global

Software livre é a alternativa contra espionagem eletrônica

América Latina já tem alternativa LIVRE às redes digitais privadas e proprietárias

Não acreditem em mim: The Terrible Truth About Facebook

Quem manda no Shopping Center é o dono

Redes Sociais e o Software Livre

Computadores com Windows 8 dificultam a instalação de sistemas livres. Saiba como resolver isso!



Quem manda no Shopping Center é o dono

23 de Junho de 2013, 21:02, por Fr3d vázquez - 0sem comentários ainda
crédito: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Villach_Atrio_Shopping_Center_11082007_11.jpg

Há muito acompanho organizações populares discutindo e promovendo as tecnologias livres como uma possiblildade para a criação de uma logística própria, no campo das lutas populares.

Recentemente saiu uma denúncia que o Sr. Barak Obama, presidente dos Estados Unidos da (norte) América vigia tudo que é postado nas redes sociais, como o Facebook.

Assange lançou há alguns meses um livro, que é uma coletânea de diálogos com amigos sobre o uso da Cryptografia e falando da lógica dos donos das infovias de coleta indiscriminada de dados, que podem ser usadas quando bem quiserem para vigiar.

Hoje vejo uma nota do brasildefato.com.br reclamando do facebook que lhes bloqueou a página na rede FB.

Alguém já leu o contrato do Google/Gmail?

As pessoas ainda não compreenderam a dimensão da coisa. O facebook, o G+, o Twitter, o Orkut, o Gmail, o Hotmail, o Yahoo, entre muitos outros são modernos Shopping Centers digitais, que atuam como prepostos do Departamento de Defesa Norte Americano, que suas máquinas estão em território norte-americano, e seu donos querem ganhar dinheiro e ponto. nada que atrapalhe a sensação de ilha da Fantasia é permitido, a não ser que seja de interesse dos "contratantes da banda". E para isso farão o que for necessário, como já é conhecido no Brasil o caso da Rede Globo em Além do Cidadão Kane - http://www.youtube.com/watch?v=049U7TjOjSA

Sim, isso mesmo, SHOPPING CENTERS, que vivem das visitações dos clientes e da venda de produtos ali ofertados.

Já viram alguma manifestação ser liberada em algum shopping como o Pátio Higienópolis, no Cidade Jardim, Ibirapuera, Shopping Paulista, Center Norte, e por aí vai? Claro que não. E nem verão.

O máximo que se permitiu foi o beijaço Gay alguns anos atrás no Shopping Frei Caneca - por conta da expulsão de dois homens vivendo sua homoafetividade "livremente" em um espaço "que imaginavam público", e que no fim das contas ao Shopping não interessava perder a clientela. Agora, se fosse o churrasco de gente diferenciada teria fechado as portas, afinal ali não é a rua, é propriedade privada.

E assim são as redes, infovias e sociais.

E para que fique mais claro: As infovias por onde circulam nossas idéias continuam sendo privadas - nos dois sentidos :), a saber: Telefônica/VivoC, Claro/Embratel/Net, Oi, Tim, Vivendi, Nextel e Sky - Link com ais detalhes http://www.teleco.com.br/operadoras/grupos.asp - ficando a mercê dos interesses dos seus controladores, afinal não temos uma Marco Civil da Internet nem um Plano Nacional de Banda Larga (mandem abraços ao petista Paulo Bernardo que este fim de semana abrilhantou as páginas amarelas daquela revista que não dá para ler).

Diante dessa democracia digital sugiro se unirem ao blogoosfero.cc e construir uma rede social que respeita a liberdade de expressão de verdade. E sabe de que lado está. Univos: ocupar, produzir e existir.

Deixo aqui uma enquete com duas opções para o problema do Brasil de Fato e tantos outros:

a) chamar o Celso Russomano com o Código de Defesa do Consumidor ou,

b) construir nossa logística própria.

Fica a dica: http://blogoosfero.cc/fundacao-blogoosfero/carta-de-principios-do-blogoosfero. Além do mais, desde esta rede qualquer leitor pode indicar o conteúdo para outras redes. Ai serão milhares indicando posts, e se eles não gostarem, como resultado, terão que bloquar os milhares de usuários.



ReperCUT Paraná: Soberania Tecnológica

27 de Maio de 2013, 21:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda



Solidariedade ao jornalista Emiliano José

19 de Maio de 2013, 21:00, por Blogoosfero - 0sem comentários ainda

LIBERDADE, LIBERDADE - SOLIDARIEDADE AO JORNALISTA EMILIANO JOSÉ

O jornalista e escritor Emiliano José teve a coragem de denunciar através da imprensa – artigo n’A Tarde de 11/02, o pastor Átila Brandão como torturador à época da Ditadura Militar, tendo como testemunhas Dona Maria Helena Afonso de Carvalho e seu filho, o historiador e professor Renato Afonso de Carvalho. Ela era uma espécie de genitora de muitos presos políticos que afetuosamente a conheciam como Dona Yaiá. Evangélicos progressistas solidarizaram-se com Emiliano reafirmando o carreirismo e reacionarismo deste pastor que desde os tempos em que estudava na faculdade de direito na UFBA, contemporâneo de Renato Afonso, perseguia estudantes a serviço dos órgãos de informação. Incomodado com sua exposição pública, Átila Brandão encaminhou queixa-crime por calúnia visando processar e intimidar Emiliano. Com forte dose de apelo moralista - própria de religiosos fundamentalistas -, Átila Brandão é pessoa conhecida no mundo evangélico, além de ostentar funções de representação diplomática, como se tal título fosse passaporte à impunidade.

Neste ínterim, Emiliano voltou à carga e, criterioso com suas fontes, fez longa entrevista com Renato Afonso que resultou no artigo Corpo amputado querendo se recompor, já postado no site da Revista Carta Capital, onde não só confirma o fato da tortura no Quartel de Dendezeiros, como narra outros episódios de perseguição e sofrimento vivenciados em masmorras no Rio de Janeiro, nos anos 70, auge da ditadura militar. Por pouco Renato Afonso não teve o destino de tantos combatentes que sofreram sevícias até a morte, algumas indizíveis como as relatadas pelo cruel delegado Cláudio Guerra, através do livro Memórias de Uma Guerra Suja e em recente edição da mesma Carta Capital.

Jornalista, escritor e suplente de deputado federal pelo PT, Emiliano José, amargou 4 anos de prisão e sofreu na própria pele a violência das torturas tantas vezes relatadas por ele mesmo sobre outras pessoas em dezenas de artigos e livros que prolificamente vêm produzindo. O marco desta missão que se impôs foi 'Lamarca, o capitão da guerrilha', junto com o ex-preso e jornalista Oldack Miranda, lançado ainda em 1989, numa época de muitas incertezas sobre o futuro de nossa titubeante democracia.

O compromisso e a coragem de Emiliano com a Memória e a Verdade marca sua trajetória de vida desde os tempos de sua militância estudantil, quando foi líder nacional pela UBES - União Brasileira de Estudantes Secundaristas, passando pela cidadania ativa que exerceu ainda na cadeia e, em seguida como dedicado professor e parlamentar atuante. Este episódio, como tantos outros relatados por Emiliano ganha especial ressonância ao inserir-se entre as iniciativas que a Comissão Nacional da Verdade e o Comitê Baiano Pela Verdade estão tomando para identificar pessoas e instituições que se prestaram a ilegalidades e violações, feriram a dignidade humana, ceifaram vidas ou deixaram marcas no corpo e na alma de milhares de brasileiros e baianos inconformados com o fim da democracia e das liberdades.  Dar publicidade e expor o pastor e ex-militar Átila Brandão à vergonha de seus familiares, amigos e funcionários por um passado tão repelente é o mínimo que podemos fazer testemunhando em solidariedade ao cidadão Emiliano José.

Salvador, 07 de maio de 2013

- José Carlos Zanetti – economista, assessor de projetos da CESE e membro do Comitê Baiano Pela Verdade

- Eliana Rolemberg – socióloga, Diretora Executiva da CESE

- Diva Santana – vice-presidene do Grupo Tortura Nunca Mais e membro da Comissão da Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos

- Joviniano Carvalho Neto – sociólogo, professor de Ciência Política e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais

- Penildon Silva Filho – Professor da UFBA

- Andrea Tourinho –Defensora Pública do Estado da Bahia e Professora Universitária-

- Sérgio Luís Bertoni - Mestre em Filosofia, presidente da Fundação Blogoosfero



Como blogueiros podem assegurar seus direitos?

7 de Maio de 2013, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda
Como blogueiros podem assegurar seus direitos?


Nesta sexta-feira, 3 de maio, dia em que se comemorou mundialmente a liberdade de imprensa, a Artigo 19 e o Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé mobilizaram mais de 100 blogueiros e interessados no tema para discutir os direitos assegurados a este novo grupo de profissionais.


O evento reuniu 30 pessoas na sede do Barão de Itararé, no centro da capital paulista, e 90 participantes que acompanharam o debate através de transmissão ao vivo. A íntegra do debate por ser assistida aqui.

Participaram da mesa como debatedores a advogada da Artigo 19, Camila Marques; o ativista Ricardo Fraga Oliveira, o jornalista Lino Bocchini, e Altamiro Borges, diretor do Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé.

A advogada Camila Marques, do Centro de Referência Legal da Artigo 19, explicou que muitos dos direitos assegurados aos jornalistas também são garantidos aos blogueiros e citou exemplos de como a intimidação, via ações judiciais ou ameaças, leva muitos comunicadores a precipitadamente apagar o blog, diante do temor de sanções jurídicas.

“O autor não é obrigado a apagar o blog após uma ameaça ou citação. Apenas caso a decisão judicial posterior seja favorável ao reclamante”, afirmou Camila Marques, colocando a Artigo 19 a disposição de todos que queiram esclarecer dúvidas sobre o assunto.

Para garantir a segurança a este público, que se encontra em situação de maior vulnerabilidade que os jornalistas tradicionais, os palestrantes destacaram que os blogueiros podem utilizar alguns mecanismos de proteção, como a possibilidades do anonimato no registro de blogs, solicitação de credenciamento oficial de imprensa, direito de proteção às suas fontes e ingresso no programa de proteção a vítimas e testemunhas.

Na ocasião, foram lançados o manual Direito de Blogar – publicação internacional da Artigo 19 que detalha o que é permitido aos blogueiros, bem como suas responsabilidades; e como as autoridades públicas devem garantir proteção a esta categoria – e o mapa da violência na blogsfera, formulário inédito para o registro de denúncias sofridas pelos comunicadores da mídia alternativa.

Os participantes presenciais e a distância interagiram com os palestrantes oferecendo sugestões para a implementação do formulário de denúncias, que em breve estará disponível para cadastro.

A Artigo 19 e o Barão de Itararé promoverão em todo o País, ao longo do ano, oficinas de capacitação jurídica aos blogueiros, compartilhando informações e argumentos legais. As oficinas serão realizadas como parte da programação dos Encontros Regionais de Blogueiros Progressistas.

O Relatório Graves Violações a Liberdade de Expressão de Jornalistas e Defensores de Direitos Humanos, divulgado em março pela Artigo 19, revela que dois blogueiros foram assassinados no Brasil em 2012; quatro receberam ameaças de morte e um foi vítima de grave agressão física.

Blogueiros participam do evento e colaboram com sugestões para elaboração de denúncia online
(Publicado no Artigo 19)



Veja o que as companhias de telecomunicação farão se acabar a Neutralidade na Rede na Internet!!!

30 de Abril de 2013, 21:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda



Blogoosfero é destaque no 2ºBLOGGER PERNAMBUCO

23 de Abril de 2013, 21:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Já existe no Brasil uma plataforma de software livre denominado de Blogoosfero, que vem sendo reconhecido por todo o País. É o nosso google brasileiro.

Qualquer ativista digital deve usar essa nova ferramenta, que já foi apresentado no 3º Encontro Nacional de Blogueiros em Salvador, no 2º Paraná Blogs em Curitiba - PR.

Na realização do 2º Blogger Pernambuco, realizado no final de semana passado em Recife, este blogueiro, propagou para os mais de 70 blogueiros do estado de Pernambuco, a importância de usar essa ferramenta que tem como administrador o nobre Sérgio Bertoni.

Para o encontro estadual de blogueiros de Pernambuco no mês de julho próximo, entre os dias 13 a 15, será pauta para o evento.

Fonte: Blog do Cláudio André, o Poeta



Anarnet não nos representa! Queremos o Marco Civil da Internet!

20 de Abril de 2013, 21:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Por Tatiane Pires

anarnet-nao-nos-representa

A Agência de Autorregulação da Internet (Anarnet), conforme textos publicados em sites de notícias sobre tecnologia, é uma agência com o objetivo de reunir opiniões de empresas, organizações não governamentais e membros da sociedade civil sobre a Internet no Brasil. Segundo o site convergecom.com.br, Coriolano A. de Almeida Camargo Santos é o diretor presidente da agência, cuja proposta é atuar nos moldes do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar). O site também informa que a maioria dos assentos nas comissões deliberativas devem ser ocupados por entidades como Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Fecomercio, Conselho Regional de Medicina de São Paulo (CRM-SP) e OAB-SP.

A Anarnet não tem legitimidade para deliberar sobre Internet no Brasil

A criação de uma entidade que tenha o objetivo de ser um fórum de debate entre empresas, organizações não governamentais e sociedade civil precisa ser amplamente discutida com toda a sociedade. O conjunto da sociedade brasileira não está representado pelas entidades listadas acima. Note-se também que três delas representam o estado de São Paulo. E os outros estados da região sudeste? E as regiões centro-oeste, nordeste, norte e sul? Por que não o Conselho Federal de Medicina? Por que não o Conselho Federal da OAB? Por que trabalhadores, estudantes, universidades e o terceiro setor não estão representados?

Quem se reuniu para discutir e aprovar o estatuto? Onde está o texto do estatuto? Por que o domínio do site foi registrado em 20 de julho de 2011 e, quase dois anos depois, ainda não há um site? Na página anarnet.org.br, até a data da publicação deste texto, constam apenas o aviso “em breve, o novo portal da agência nacional de autorregulação da internet”, telefone e email para contato.

Por que o domínio anarnet.org.br está registrado sob o CNPJ do Instituto da Saúde Integral, 007.140.466/0001-31? Por que a pressa de registrar um domínio sob o CNPJ de outra entidade? O Conar, Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, tem o domínio do seu site registrado sob o CNPJ da própria entidade, 043.759.851/0001-25, por exemplo. Informações sobre domínios terminados em .br podem ser verificadas no site Registro.br e os números de CNPJ acima podem ser verificados no site da Receita Federal.

Além disso, por que agência nacional? As dez agências reguladoras existentes foram criadas pelo Governo Federal: Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Agência Nacional de Petróleo (ANP), Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Agência Nacional de Águas (ANA), Agência Nacional do Cinema (Ancine), Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Ao adotar o nome de “agência nacional”, a ideia que desejam transmitir os fundadores da Anarnet é de que a entidade teria sido criada pelo governo. Com essa prática, a entidade está enganando a sociedade.

Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br)

O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) foi criado pela Portaria Interministerial Número 147, em 31 de maio de 1995, com os seguintes objetivos (grifos meus):

I – acompanhar a disponibilização de serviços Internet no país;
II – estabelecer recomendações relativas a: estratégia de implantação e interconexão de redes, análise e seleção de opções tecnológicas, e papéis funcionais de empresas, instituições de educação, pesquisa e desenvolvimento (IEPD);
III – emitir parecer sobre a aplicabilidade de tarifa especial de telecomunicações nos circuitos por linha dedicada, solicitados por IEPDs qualificados;
IV – recomendar padrões, procedimentos técnicos e operacionais e código de ética de uso, para todos os serviços Internet no Brasil;
V – coordenar a atribuição de endereços IP (Internet Protocol) e o registro de nomes de domínios;
VI – recomendar procedimentos operacionais de gerência de redes;
VII – coletar, organizar e disseminar informações sobre o serviço Internet no Brasil; e
VIII – deliberar sobre quaisquer questões a ele encaminhadas.

O que os fundadores da Anarnet propõem que sejam atividades agência já estão entre as atribuições do CGI.br! Lembrando que, na composição CGI.br, estão representantes do governo, do setor empresarial, da comunidade científica e tecnológica.

Além disso, o CGI.br organiza o Fórum da Internet no Brasil: o primeiro foi em 2011, em São Paulo; o segundo foi em 2012, em Olinda(PE); a terceira edição será de 3 a 5 de setembro de 2013 em Belém(PA) e está com chamada pública de temas para o fórum aberta até 10 de maio. Participei das duas primeiras edições do fórum, posso garantir que as discussões foram sobre temas relevantes para o uso e a ampliação do acesso à Internet no Brasil e com participação de representantes dos mais diversos movimentos sociais.

É do Comitê Gestor da Internet a responsabilidade de promover a discussão sobre Internet no Brasil!

Marco Civil da Internet

Notícias sobre a Anarnet circulam nos sites de tecnologia exatamente num momento que há dificuldades para votar o Marco Civil da Internet na Câmara. Isso não é mera coincidência! Lobistas das empresas de telecomunicações e da indústria do copyright tentam inserir alterações no texto do projeto de lei: as teles para retirar a garantia de neutralidade da rede, os representantes do copyright para evitar que conteúdos sejam removidos somente após decisão judicial. Em outra frente de ação, entidades se reúnem para apoiar a criação de uma agência que não será um fórum democrático para discutir a Internet. Trata-se de uma ação coordenada para tirar o foco da discussão que ocorre sobre o Marco Civil da Internet entre os deputados.

A minuta do projeto do Marco Civil foi elaborada a partir de mais de 800 contribuições na primeira fase de debates, entre 29 de outubro e 17 de dezembro de 2009. Na segunda fase, entre 8 de abril e 30 de maio de 2010, ocorreram novos debates e um processo de construção colaborativo. Audiências públicas com participação presencial também foram realizadas em diversas cidades em todo o Brasil. Em 24 de agosto de 2011, o projeto de lei foi encaminhado à Câmara e recebeu o número 2126/2011. Atualmente, tramita sob o número 5403/2001.

É inegável a legitimidade do projeto de lei do Marco Civil da Internet apresentado à Câmara dos Deputados, pois resultou de um processo legislativo inédito com a participação direta da sociedade.

Anarnet não nos representa!

Posso, com segurança, escrever no plural que a Anarnet não nos representa, pois não representa trabalhadores, estudantes, sindicalistas e ativistas que têm feito da liberdade de expressão, da democratização da comunicação e da universalização do acesso à banda larga de qualidade suas bandeiras de luta pela consolidação da democracia no Brasil.

O Comitê Gestor da Internet (CGI.br) é a entidade responsável por promover a discussão sobre Internet. E a aprovação do Marco Civil com neutralidade da rede e não remoção de conteúdo sem ordem judicial garantidos é urgente e necessária.



Patentes para que e para quem?

18 de Abril de 2013, 21:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Publicado originalmente no Viomundo.

Patentes para quê? 

DR. ROSINHA 

Recebi, na semana passada, na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, a visita de uma delegação de deputados e deputadas da Alemanha. Geralmente, esse tipo de encontro é morno. Fazem-se as saudações de praxe, fala-se de amenidades conjunturais e renovam-se os convites para futuras visitas. Ao contrário do que estabelece o protocolo, no entanto, nesse encontro houve um debate rápido, mas caloroso sobre patentes.

Como de praxe, fiz a saudação, dei as boas-vindas e introduzi um tema. Contei que há cerca de dois anos, quando estive na Alemanha a convite do governo alemão, me surpreendeu o fato de que na maioria das reuniões com autoridades o tema das patentes estivesse em pauta, principalmente a ampliação do acordo TRIPs. Europeus e norte-americanos desejavam, e ainda desejam, o que chamam de acordo TRIPs Plus.

O acordo TRIPs (do inglês Agreement on Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights, ou Acordo Relativo aos Aspectos do Direito da Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio) é um tratado internacional assinado em 1994 que estabelece os direitos de patentes. Ele é parte de um conjunto de tratados que encerrou a Rodada Uruguai e criou a Organização Mundial do Comércio (OMC).

O acordo original garante o direito de patente por 20 anos. Com o TRIPs Plus, a indústria farmacêutica europeia e norte-americana quer ir além, estendendo esse prazo para 25 anos. Deseja também obter outras vantagens, tais como a patente de segundo uso (quando se descobre que determinado medicamento é eficaz no tratamento de mais de uma doença) e a patente de polimorfos (que se refere ao controle das diferentes formas de uma mesma substância química utilizada na fabricação de medicamentos).

A conversa transcorria amena até o momento em que me declarei contrário às patentes. Reagiram todos, alemães e brasileiros. Um só parlamentar alemão colocou-se na mesma posição que eu.

Mas esse texto não tem o objetivo de defender minha posição contrária às patentes de medicamentos especificamente, mas sim de chamar atenção para outro aspecto das patentes, também grave: a Monsanto e outras empresas de bioteconologia querem patentear nossa comida; vegetais e frutas que usamos como alimentos no dia-a-dia, como pepino, brócolis, melão, etc. Caso consigam, vão passar a cobrar royalties dos produtores pelo uso das sementes dessas culturas.

A Monsanto descobriu que há brechas nas leis europeias e, aproveitando-se disso, pede o patenteamento. Uma vez que a patente exista num país, as empresas passam, através de acordos comercias, a exigir que outros países as reconheçam e paguem por elas.

Há um discurso para enganar: as empresas de medicamentos e de biotecnologia afirmam que as patentes impulsionam as pesquisas e a inovação tecnológica. Para contestar esta premissa, lembro que em 1995 o Massachusetts Institute of Technology descobriu que dos 14 medicamentos que mais deram retorno do ponto de vista da indústria naquele último quarto do século passado, 11 tinham sua origem em trabalhos financiados pelo Estado.

Além desse dado, há outros estudos, entre os quais cito os de Michele Boldrin e David Levine, economistas do Fed (Banco Central dos EUA), que questionam o valor social das patentes. Eles afirmam que “não existe evidência empírica de que as patentes servem para aumentar a inovação ou a produtividade”.

Já Petra Moser, da Universidade Stanford, analisa a relação entre inovação e leis de patente e conclui que “no geral, o peso da evidência histórica (…) indica que políticas de patentes, que garantem fortes direitos de propriedade intelectual às primeiras gerações de inventores, podem desencorajar a inovação”.

De qualquer forma, há algo já identificado e inquestionável: as patentes criam monopólios e oligopólios.

Hoje já temos uma situação preocupante: a Monsanto possui patenteadas  na União Europeia 36% das variedades de tomates, 32% dos pimentões e 49% das variedades de couve-flor. Há que se dar um basta nisso.

Por séculos e séculos os agricultores escolheram, na maioria das vezes, dentro de sua própria colheita as sementes a serem plantadas para a próxima safra. Lembro-me perfeitamente disto: no interior do Paraná, meu pai, pequeno agricultor, tinha essa prática.

Não podemos negar e tampouco ignorar a tecnologia, mas também não podemos ficar reféns dos monopólios e oligopólios, principalmente de alimentos. A sociedade tem que reagir, para construir a nossa soberania alimentar.

Quanto ao debate com a delegação alemã, por conta do tempo escasso de ambas as partes, ficamos de retomá-lo em outra oportunidade. 

DR. ROSINHA, médico pediatra, deputado federal (PT-PR), presidente da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.



Confira o programa da Oficina para usuários do Blogoosfero / STOA em 23/01, na USP

17 de Janeiro de 2013, 22:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Horário

Tema/Responsável

 09:00-09:30

Esquenta:

- Boas vindas

- Apresentação dos presentes

- Objetivos da Oficina

 09:30-09:50 

O que é o Noosfero?

 
Vicente de Aguiar, Colivre, via Hangout

 09:50-10:10                             

Por que os blogueiros escolheram o noosfero?

  Sérgio Luís Bertoni, Fundação Blogoosfero/TIE-Brasil

 10:10-10:30  

Por que o STOA usa noosfero?

                               
Ewtou ter Haar, CCSL-IME/USP

 10:30-10:45

Pausa

 10:45-11:30

Programe ou seja programado: a questão da independência tecnológica e o capitalismo informacional

  Sérgio Luís Bertoni, Fundação Blogoosfero/TIE-Brasil

 11:30-12:00

Introdução às funcionalidades Blogoosfero/STOA/Noosfero

  Paulo Meirelles - ASL e CCSL-IME/USP

 12:00-13:30

Intervalo para Almoço

 13:30-17:30

Funcionalidades Blogoosfero/STOA/Noosfero: Do Básico ao Avançado(*)

  Paulo Meirelles - ASL e CCSL-IME/USP
  Sérgio Luís Bertoni, Fundação Blogoosfero/TIE-Brasil
 
  • perfil pessoa
  • perfil comunidade
  • perfil empreendimento
  • mural
  • convidar amigos
  • blogs
  • agenda
  • fórum
  • galeria de imagens
  • painel de controle
  • gestão de conteúdo
  • clones de blogs
  • internacionalização
  • divulgação de conteúdos
  • sugestão de artigos
  • multimídia
  • busca
  • envio de mensagens
  • notificação de atualização
  • feed RSS
  • atividades na rede
  • site personalizado
  • anti-spam
  • formulários
  • escolha de perfil
  • mudanças no redator de e-mail
  • administração de licenças
  • tolerance adjustments
  • perfil modelo
  • sub-blogs
  • gerenciamento de lay-out

(*) Intervalo a combinar

Veja também:

Oficina para usuários Blogoosfero/STOA: 23/01/2013, na USP

Blogoosfero foi criado por blogueiros. Veja como utilizar essa ferramenta de comunicação



Cartaz do Curso Blogoosfero/STOA. Ajude a divulgar!!!

27 de Dezembro de 2012, 22:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda